O Banco Central Europeu (BCE) reviu em alta para 1,2% a sua previsão de crescimento para a zona do euro em 2014, contra os 1,1% estimados anteriormente, anunciou esta quinta-feira o presidente da instituição monetária de Frankfurt, Mario Draghi.

Quanto à inflação, a instituição monetária revê em baixa a sua previsão para 1% em 2014.

Para 2015, o BCE mantém as suas previsões quer para o crescimento, que deverá fixar-se em 1,5%, quer para a inflação, que deverá situar-se nos 1,3%.

Já para 2016, a instituição monetária prevê um aumento de 1,8% do PIB e uma inflação de 1,5%.

Esta é a primeira vez que o BCE divulga uma estimativa num horizonte tão longínquo.

Na conferência de imprensa mensal em Frankfurt, Mario Draghi afirmou também que o desemprego estabilizou e estimou uma melhoria na procura interna.

No entanto, grandes riscos continuam a pesar sobre o crescimento na Europa, particularmente por parte dos países emergentes e devido às incertezas geopolíticas nas fronteiras da região.

As previsões eram muito aguardadas, dado o papel fundamental que desempenham na apreciação que os bancos centrais fazem das perspetivas na zona euro, que é igualmente crucial para as suas decisões de política monetária.

Já ao início da tarde, o BCE anunciou que manteve, na reunião mensal do Conselho de Governadores, a taxa de juro diretora inalterada nos 0,25% pelo quarto mês consecutivo, o nível historicamente mais baixo.