A estação de televisão pública britânica BBC vai despedir 415 profissionais da área do departamento de informação «para fazer cumprir» um plano de redução de custos para os próximos dois anos.

A medida foi anunciada esta quinta-feira aos trabalhadores durante uma reunião que decorreu na sede da BBC em Londres, tendo sido comunicado que vão ser criados 190 postos de trabalho, mas noutras áreas da emissora.

Com estes cortes a BBC prevê conseguir poupar 57 milhões de euros por ano.

O serviço de notícias da BBC emprega 8.400 pessoas, entre as quais cinco mil jornalistas no Reino Unido e no estrangeiro.

O departamento do serviço de notícias já cortou 140 empregos em 2012 e 75 postos de trabalho em 2013.

O diretor do setor de informação, James Harding, admitiu hoje que a emissora está a viver um momento de ¿incerteza e de mudança¿.

O anúncio dos despedimentos era esperado depois de na terça-feira os sindicatos do setor terem anunciado uma greve para o dia 23 em protesto contra as condições salariais, fazendo coincidir a paralisação com o início dos Jogos da Commonwealth na Escócia.

A maioria dos jornalistas e técnicos, dos sindicatos NUJ, Bectu e Unite, votaram a favor da forma de luta, que vai consistir numa paralisação ao meio-dia (mesma hora em Portugal), seguida de uma greve de zelo durante 12 horas.

Os empregados da BBC já afetados pelos despedimentos e cortes nos últimos anos rejeitaram a última proposta salarial da administração que consideraram insuficiente.

A estação pública britânica, dirigida desde abril de 2013 por Tony Hall, vai iniciar em 2015 a renegociação periódica com o governo os termos de financiamento, que atualmente provêm de uma taxa dos telespetadores.