O vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, afirmou hoje que a assinatura de um novo contrato de investimento da Volkswagen na Autoeuropa, no valor de 677 milhões de euros, é «tão importante para Portugal como a notação de uma agência de rating».

«Este investimento, para a economia portuguesa, para a autoestima do nosso País, é tão importante como seria a notação de uma agência de rating», disse Paulo Portas na cerimónia de assinatura do contrato, que decorreu hoje na fábrica de automóveis de Palmela.

«A confiança vê-se pelos factos. Se uma empresa tão grande a nível mundial decide investir em Portugal agora, mais 677 milhões de euros e criar emprego aqui e modernizar tecnologias no nosso País, é porque, evidentemente, Portugal se tornou um País mais atrativo para investir. E este é o momento para pôr Portugal no GPS dos investimentos e da criação de emprego», acrescentou Paulo Portas.

Além de salientar a importância deste novo investimento da Autoeuropa, que permitirá o fabrico de novos veículos na fábrica de Palmela, o vice-primeiro-ministro elogiou também o clima de negociação permanente entre a empresa e os trabalhadores, que tem sido uma constante desde que a Autoeuropa se instalou em Palmela, em 1995.

«Aqui, na Autoeuropa, aplica-se o que de melhor tem o modelo social europeu, porque a Volkswagen tem no mundo inteiro, e em particular a Autoeuropa aqui em Portugal, uma tradição de negociação social permanente», disse.

«As empresas são do interesse do empregador e do trabalhador. O seu crescimento e a defesa dos postos de trabalho devem juntar um sentido comum de responsabilidade.

A mesa de negociação é o lugar onde os interesses do empregador e os interesses do trabalhador devem ser representados para se chegar a um compromisso», sublinhou.

Para o governante, é esta relação de compromisso entre empregador e trabalhadores que «faz avançar as empresas e motiva os trabalhadores».

«Por isso quero sublinhar a forma como a Autoeuropa atravessa os tempos mais difíceis, que felizmente ficam para trás de nós, e os ventos mais favoráveis, sempre com sentido de equilíbrio de negociação social para se chegar a compromissos», acrescentou o vice-primeiro-ministro.

Para o diretor-geral da Autoeuropa, António de Melo Pires, «a concretização deste investimento vai permitir à empresa reforçar a sua capacidade de atracão de novos modelos do Grupo Volkswagen, ao mesmo tempo que a preparará para os desafios dos novos paradigmas da indústria automóvel».

«Esta nova fase de desenvolvimento industrial da Volkswagen Autoeuropa será igualmente importante para o país», frisou o responsável da Autoeuropa, acrescentando que o aumento da capacidade de produção, «não só terá um impacto muito positivo nas exportações nacionais, como também funcionará como um importante polo gerador de postos de trabalho diretos e indiretos».

A assinatura do contrato de investimento antecedeu a iniciativa conjunta da Volkswagen e da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, «Parcerias competitivas para o sucesso», que visa qualificar empresas nacionais para poderem habilitar-se a ser fornecedores da marca.