O Banco Europeu de Investimento (BEI) vai investir, até março, mais 180 mil milhões de euros na Europa, na sequência de um aumento de capital feito em 2013, anunciou esta segunda-feira, em Bruxelas, o presidente da instituição, Werner Hoyer.

«Atingiremos o nosso objetivo de ter 180 mil milhões de euros suplementares investidos em toda a Europa em março, ou seja nove meses antes do previsto», salientou Hoyer, citado pela Lusa, numa conferência de imprensa em que apresentou o relatório anual de atividades do banco.

Em 2012, os Estados-membros da União Europeia (UE) decidiram aumentar o capital próprio do BEI, considerando que tal permitiria ao banco fortalecer a sua atividade credora em 40%, entre 2012 e 2013 e manter esse nível até 2015.

No ano passado, o BEI manteve a linha de crédito para os países mais atingidos pela crise financeira, tendo concedido novos empréstimos num total de 1,6 mil milhões de euros à Grécia, de 1,3 mil milhões a Portugal e 932 milhões de euros à Irlanda.

Na UE, os principais volumes de créditos para apoiar investimentos de longa duração foram concedidos a Espanha (11,9 mil milhões de euros), Itália (10,9 mil milhões), França (8,2 mil milhões), Alemanha (7,7 mil milhões) e Reino Unido (7,0 mil milhões de euros).

Em 2014, o BEI emprestou um total de 77 mil milhões de euros para apoiar investimentos na Europa e no resto do mundo, sendo que os financiamentos concedidos na UE representam 69 mil milhões de euros, 90% do total.

Por outro lado, a linha de crédito do programa 'Competência em empregos – Investir na juventude', direcionado para o emprego juvenil, ultrapassou os 13 mil milhões de euros que financiaram projetos destinados a criar emprego para jovens ou a melhorar as competências destes.