O ministro das Finanças grego, Yanis Varoufakis, considerou esta segunda-feira que as trocas de acusações entre a Alemanha e a Grécia servem apenas os inimigos da Europa, apelando, num artigo publicado no jornal Handelsblatt, à melhoria das relações bilaterais.

«Só os inimigos da Europa beneficiam» desta troca de acusações reciprocas, entre Berlim e Atenas, que aumentaram de intensidade com a chegada ao poder, no final de janeiro, de um Governo grego de esquerda radical, escreveu o ministro, invocado uma «animosidade aberta» entre gregos e alemães.

«Isso deve acabar. E apenas então, a Grécia, com o apoio dos seus parceiros europeus, que também têm interesse na sua recuperação económica, poderá concentrar-se na aplicação de reformas eficazes e numa estratégia política geradora de crescimento», acrescenta o ministro.

O Governo grego encerrou na sexta-feira a lista detalhada das reformas que se tinha comprometido a apresentar aos parceiros da zona euro para obter um pagamento antecipado do resgate pendente e evitar o colapso.

Face à crise de liquidez que o país atravessa, a Grécia tem de chegar rapidamente a acordo com os parceiros da zona euro para que seja possível antes de finais de abril um desembolso parcial do montante que foi emprestado ao país de forma a evitar a bancarrota.

Atualmente, a Grécia só acede a fundos através do mecanismo urgente de liquidez do BCE.

A 20 de março, dias antes da primeira visita do primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, à chanceler alemã Angela Merkel, Yanis Varoufakis já tinha lançado, no seu blogue, um apelo ao apaziguamento das relações entre Berlim e Atenas.