O primeiro-ministro grego Alexis Tsipras declarou-se esta segunda-feira otimista sobre a possibilidade de um compromisso com a União Europeia sobre a dívida e disse que o programa do seu Governo é realizável.

Na sequência de um encontro em Viena com o chanceler austríaco Werner Faymann, o primeiro-ministro grego realçou durante uma conferência de imprensa conjunta «existir um interesse comum em ultrapassar esta crise» e disse estar «otimista sobre um compromisso com os nossos parceiros europeus», sem adiantar mais pormenores.

O líder do Syriza, o partido da esquerda radical que venceu as legislativas gregas de 25 de janeiro e formou um governo de coligação com os nacionalistas Gregos independentes (Anel), recordou que a história da UE foi sempre feita «de altos e baixos», que sempre culminaram numa solução. «Não vejo por que motivo seja impossível a obtenção de um acordo» sublinhou.

O primeiro-ministro grego frisou que os planos do seu governo para enfrentar a crise da dívida não vão significar «um peso» para os cidadãos da UE e definiu a sua proposta como realizável.

«Quero uma solução que seja economicamente viável e permita o desenvolvimento que necessitamos», explicou Tsipras sobre a intenção em limitar as políticas de austeridade impostas à Grécia pela UE e renegociar a sua dívida.
Por sua vez, Faymann sublinhou ser «um dever» dos 28 Estados-membros da UE e do Eurogrupo encontrarem uma saída para a crise, sublinhando que «a zona euro deve permanecer unida nos momentos de dificuldades».

O chanceler social-democrata insistiu no entanto que a Grécia deve «respeitar os seus compromissos e o quadro geral» definido com os seus parceiros.

A vista de Tsipras a Viena ocorreu antes da reunião de quarta-feira dos ministros das Finanças dos 19 países da zona euro, incluindo a Áustria, e de uma cimeira europeia centrada na questão grega, agendada para quinta-feira.