A ministra das Finanças sublinhou esta segunda-feira o "empenho muito grande" de toda a zona euro "em fazer tudo" para o sucesso do acordo alcançado com a Grécia, mas frisou que Atenas tem de dar provas da sua determinação.

Falando no final de nova reunião do Eurogrupo, horas depois de ter sido alcançado em Bruxelas um princípio de acordo na cimeira do euro sobre as bases para um terceiro "resgate" à Grécia, Maria Luís Albuquerque apontou que "foi um esforço de todos e também, naturalmente, do Governo grego, ao aceitar conjunto de condições discutidas e chegando a uma plataforma de entendimento".

"A confiança, no entanto, é algo que se perde muito rapidamente e que exige muito tempo para ser reconstituída, e portanto o Governo grego também está consciente de que terá que continuar a dar provas do seu empenho e da sua determinação para voltar a merecer confiança mais plena", afirmou.


A ministra insistiu designadamente na necessidade de "implementação no terreno" das reformas estruturais acordadas e que considerou "fundamentais", tão ou mais importantes do que as metas orçamentais.

Pelo lado dos restantes 18 países do euro, garantiu que o seu empenho "é obviamente total" e farão "tudo o que for possível" para assegurar a manutenção do apoio a Atenas e o sucesso do terceiro programa de assistência financeira.

Questionada sobre se o afastamento de Yanis Varoufakis do cargo de ministro das Finanças da Grécia, e substituição por Euclides Tsakalotos, ajudou a um entendimento, Maria Luís Albuquerque observou que "pode até parecer, mas as decisões nunca são personalizadas".

"Independentemente de nós podermos ter mais ou menos simpatia uns pelos outros, porque, enfim, passamos muitas horas juntos, sobretudo recentemente, temos passado muitas horas juntos, as decisões nunca são influenciadas por esse tipo de avaliação de personalidade. Estamos a falar de matérias de enorme importância", comentou.


Maria Luís Albuquerque confirmou que o "calendário tentativo" para o programa ser posto em marcha é de "quatro semanas", face aos procedimentos necessários até lá, mas disse que todos estão a "trabalhar intensamente" para encontrar uma solução relativa ao chamado "financiamento-ponte", a ajuda imediata de que a Grécia necessita urgentemente para fazer face às necessidades financeiras mais prementes.

"Estamos a falar de uma decisão que terá que ser tomada nos próximos dias, literalmente. Nesta semana ainda", declarou.