[Notícia atualizada às 15h25]









Schäuble respondeu: «Quando essas promessas são à custa de outros não são realistas». E adiantou: «sou cético sobre algumas das medidas anunciadas pela Grécia. Vão na direção que não queremos».

O ministro alemão reconhece que, «há que respeitar a vontade dos eleitores gregos», mas também é preciso «respeitar a vontade dos eleitores de outros países europeus».


Grécia tem que continuar a trabalhar com a troika









Na resposta, o homólogo grego adiantou: «Não chegámos a acordo, mas também não acordamos em discordar. Acordamos sim em encetar um debate orientado para uma solução europeia para um problema europeu».



Grécia garante que «fará tudo para evitar um default»