O ministro das Finanças francês, Michel Sapin, disse esta segunda-feira, em Bruxelas, que uma possível reestruturação da dívida grega só será discutida no âmbito das negociações do terceiro programa de resgate à Grécia.

“A questão da dívida será tratada no quadro das negociações do próximo programa de resgate”, disse Sapin aos jornalistas à entrada para a reunião dos ministros das Finanças da zona euro.

O primeiro-ministro grego assegurou que o governo helénico "lutou até ao fim" e congratulou-se com a vitória quanto à "reestruturação da dívida".

O acordo fechado na cimeira da zona euro para se avançar com um terceiro programa de resgate à Grécia, no valor de 86 mil milhões de euros, impõe condições a Atenas com calendários a curto prazo. 

Em relação à dívida, o documento realça que há uma "preocupação" em relação a este tema. Um perdão da dívida está fora de questão, mas a reestruturação poderá passar por alargar o período de carência ou o prazo de pagamento. No entanto, uma renegociação da dívida só será abordada depois da primeira avaliação ao cumprimento do terceiro resgate a Atenas. 

Até quarta-feira, o Parlamento grego tem que aprovar medidas como o aumento do IVA e o alargamento da base tributária para aumentar as receitas fiscais, a reforma do sistema de pensões - incluindo a garantia da sua sustentabilidade a longo prazo -, o assegurar da independência do instituto de estatísticas grego (ELSTAT) e a aplicação integral das principais normas previstas do Tratado de Estabilidade, Coordenação e Governação na União Económica e Monetária.