O presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, afirmou esta quarta-feira, à chegada à reunião extraordinária em Bruxelas sobre a Grécia, que o objetivo deste encontro é ouvir as ideias do novo ministro grego, Yanis Varoufakis, e «iniciar discussões».

«Vamos dar as boas vindas ao ministro grego hoje ao Eurogrupo, ouvir os planos do novo Governo grego, e ver em que bases poderemos prosseguir o nosso apoio à Grécia. Como sabem, formalmente ainda temos um programa (até final do mês), pelo que a primeira questão é como prosseguir esse programa. Vamos iniciar as discussões (…) Não espero um desfecho hoje, tenho sido muito claro sobre isso, este é apenas o início das nossas conversações», declarou.

Insistindo que o encontro serve sobretudo para ouvir «as ideias e os planos» do novo Governo grego, para então arrancarem discussões, Dijsselbloem admitiu que, pela sua parte, vai manifestar ao ministro grego a sua «esperança de que continuem comprometidos com o caminho das reformas», o que considerou «crucial» para a Grécia.

«Vou expressar a minha esperança de que continuem comprometidos com o caminho das reformas. Regressaram ao crescimento no ano passado, alcançaram um superavit primário, e é crucial para a Grécia continuar nesse caminho. Como e em que condições será discutido hoje. Vamos ouvir as suas novas ideias e ambições e depois começam as discussões», concluiu.

À chegada, o ministro das Finanças grego disse estar «confiante».
 


Já o ministro das Finanças alemão voltou a reiterar que a Grécia tem um programa para cumprir.

 


Também de Espanha vem o aviso: «A Grécia tem de respeitar as regras»
Da parte portuguesa não vai haver comentários, confirmou o correspondente da TVI em Bruxelas, Pedro Moreira
 

Os ministros das Finanças da zona euro reúnem-se em Bruxelas a partir das 17:30 locais (16:30 de Lisboa), numa reunião extraordinária sobre a Grécia, que assinala a estreia no Eurogrupo do ministro Varoufakis, que irá apresentar aos seus parceiros os novos planos de Atenas.

A Bolsa de Atenas encerrou a tombar 4%, com os investidores muito pouco confiantes num acordo entre a Grécia e os parceiros europeus no Eurogrupo agendado para esta quarta-feira. 

O Eurogrupo extraordinário, convocado na semana passada, realiza-se na véspera de uma cimeira de chefes de Estado e de Governo da UE, que ficará também ela marcada pelas mudanças operadas na Grécia, com a subida ao Governo do Syriza, de Alexis Tsipras, que pretende renegociar com os seus parceiros uma «solução viável» para a Grécia, numa altura em que o programa de assistência externa está prestes a expirar.

As reuniões foram antecedidas de múltiplos contactos do novo Governo grego com diversas capitais, tendo tanto Varoufakis como Tsipras viajado pela Europa para tentar recolher apoios antes dos primeiros grandes «frente a frente», que terão lugar esta semana em Bruxelas.

Varoufakis, que se estreia no «palco» do fórum de ministros das Finanças da zona euro, depois de uma primeira reunião, em Atenas, com o respetivo presidente Jeroen Dijsselbloem, que terminou de forma algo abrupta, disse na segunda-feira que está «consciente do dever» do Governo grego de encontrar «uma solução» com os parceiros europeus, mas respeitando a exigência dos gregos de «não recuar» nos compromissos eleitorais.