O comissário europeu dos Assuntos Económicos e Financeiros, Pierre Moscovici, não descarta a saída da zona euro da Grécia e sublinha que a permanência desta depende do cumprimento de «estritas condições» por Atenas.

«Não manteremos a Grécia dentro da zona euro a qualquer preço, mas só sob estritas condições que sejam aceitáveis para todas as partes», declarou o comissário em declarações hoje publicadas pelo jornal alemão Die Welt.

Moscovici admite que um abandono da divisa europeia pela Grécia provocaria «graves danos» ao conjunto da zona já, que além dos efeitos negativos na perspetiva estritamente monetária, se poria em questão a «integridade» da zona euro.

O comissário aponta a possibilidade de chegar a soluções de compromisso se Atenas se mostra «disposta a cooperar».
Sobre um eventual terceiro resgate para a Grécia, o comissário adverte que, a produzir-se, todos os envolvidos devem assumir que este será «muito diferente dos precedentes».

Estas declarações de Moscovici seguem-se a outras do ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schäuble, apontando não só para o eventual abandono grego da zona euro - o denominado Grexit - como também para uma saída «acidental» desta pela Grécia.

Numa intervenção recente na Fundação Konrad Adenauer - próxima do partido de Angela Merkel e ao qual também Schauble pertence - o ministro alemão criticou duramente o Governo de Atenas, o qual acusou de não ter um roteiro e de não dizer a verdade.