O plano de reformas que Atenas se prepara para apresentar inclui 12 mil milhões de euros em cortes e subida de impostos, avançam os media gregos.

Segundo o jornal Enikos, citado pelo The Guardian, o relatório estima que a recessão na Grécia em 2015 atinja os 3%, ao invés de um crescimento de 0,5%, devido aos meses de incerteza que se vivem no país e depois de quase duas semanas de controlo de capitais.

O jornal Kathimerini revela que as medidas no valor de oito mil milhões de euros que a Grécia havia apresentado, para o horizonte 2015-2016, foram aumentadas em quatro mil milhões, perfazendo um total de 12 mil milhões de euros. Note-se que neste pedido de resgate o horizonte temporal é de três anos.

Segundo o The Guardian, uma equipa de tecnocratas franceses está a ajudar o governo grego a redigir a proposta, "medida a medida".

Esta quinta-feira o governo grego sublinou que está confiante que vai conseguir alcançar um acordo com os credores internacionais, e que esse acordo será aprovado pelo parlamento helénico. E acrescenta que está a fazer tudo o que pode para chegar a esse acordo.

“Estou certo de que o grupo parlamentar do Syriza e a coligação de governo vão passar o acordo”, disse o porta-voz do governo, Gabriel Sakellaridis, entrevistado por uma televisão grega.

Mas a ala mais à esquerda do Syriza opõe-se: o ministro da Energia, Panagiotis Lafazanis rejeita um terceiro resgate, embora espere um acordo de ajuda financeira entre Atenas e os credores, em breve.

O presidente do Conselho Europeu e das cimeiras do euro, Donald Tusk, defendeu esta quinta-feira no Twitter que as propostas realistas de reformas que são reclamadas ao Governo grego devem ser correspondidas com propostas realistas dos credores sobre a sustentabilidade da dívida, para que todos fiquem a ganhar. 
 
Com ou sem terceiro resgate, a diretora do Fundo Monetário Internacional (FMI) voltou a afirmar que a solução para a questão grega terá de passar sempre por uma restruturação da dívida.

A Grécia pediu formalmente o terceiro resgate ao Mecanismo Europeu de Estabilidade, com a duração de três anos. As propostas vão ser apresentadas esta quinta-feira até à meia-noite.

A partir daí, os credores têm até sábado de manhã para avaliar a proposta. Nesse dia, às 9:00, haverá uma reunião técnica do grupo de trabalho do euro e às 14:00 começará o Eurogrupo. Domingo é o dia de todas as decisões: chefes de Estado da zona euro vão reunir-se às 15:00, hora de Lisboa, numa cimeira de países do euro. Segue-se o Conselho Europeu, com os líderes da União Europeia, às 17:00 de Lisboa. 

Os bancos gregos vão permanecer fechados até segunda-feira, dia 13, mantendo-se o limite diário de 60 euros para levantamentos nas caixas multibanco.