Uma cimeira extraordinária da zona euro realiza-se esta segunda-feira, em Bruxelas, com as atenções voltadas para a chanceler alemã, Angela Merkel, perante o risco de a Grécia entrar em incumprimento dos compromissos financeiros e mesmo sair da moeda única.

A semana passada, depois de o Eurogrupo ter sido novamente incapaz de chegar a um acordo com Atenas que permita libertar a tranche de 7,2 mil milhões de euros tão necessária aos cofres públicos helénicos, o presidente do Conselho Europeu convocou uma cimeira da zona euro.

Com esta decisão de Donald Tusk, chega oficialmente ao mais alto nível político a discussão sobre a Grécia, a poucos dias de expirar o atual programa de resgate e a data limite para o país pagar 1,6 mil milhões de euros ao Fundo Monetário Internacional, ambos a 30 de junho, o que sem dinheiro levará Atenas a entrar em 'default' e poderá mesmo precipitar a saída da zona euro (o famoso Grexit).

Este domingo soube-se que o primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, apresentou  novas propostas gregas, tendo em vista "um acordo benéfico mútuo", aos responsáveis da Alemanha, França e ao presidente da Comissão Europeia, anunciou o seu gabinete de comunicação.  

Esta segunda-feira é também dia de Eurogrupo, que se reúne antes da cimeira de líderes, às 11:30. O conselho de governadores do Banco Central Europeu também se reúne esta segunda-feira, para dedicir sw volta a aumentar o financiamento de emergência aos bancos gregos.