O presidente do Parlamento Europeu admitiu que houve, de facto, uma proposta para que a Grécia saísse temporariamente da zona euro por cinco anos, mas revelou que a proposta não foi aceite por Atenas.

Numa conferência de imprensa dada há minutos, Martin Schulz sublinhou:

 “Não se podem esticar muito as exigências e o governo grego deve ser confiável”


Este sábado ​surgiram rumores de que o ministro alemão teria proposto uma saída da grécia do euro por cinco anos, mas a informação foi desmentida, nomeadamente pleo governo grego. Fontes adiantaram na altura à TVI que esse documento surgiu em cima da mesa, mas não foi discutido. 

Martin Schulz não quis revelar que país colocou a proposta em cima da mesa, mas revelou que alguns ministros das Finanças admitiram que a zona euro "vive bem" sem a Grécia. 

 O responsável avisou que a Europa está numa encruzilhada e lembrou que a decisão final tem de ser tomada este domingo:
 

“Tem de haver uma decisão esta noite, e espero que seja positiva”


A prioridade, afirmou,  é  "assegurar que o dinheiro será o usado da melhor maneira". Mas deixou a convicção firma de que "a Grécia e o seu povo não devem ser humilhados".

Alguns jornalistas que estão em Bruxelas avançam que o documento que saiu do Eurogrupo fixa as necessidades financeiras da Grécia entre 82 e 86 mil milhões de euros.