O governo grego considera que o país fez todos os esforços para chegar a um acordo que fosse benéfico aos parceiros europeus e a Atenas, mas não aceita pressões para continuar o programa atual.

«O governo grego fez tudo o que podia a todos os níveis num esforço par encontrar uma solução de mútuo benefício», sublinhou o porta-voz do governo de Atenas, Gabriel Sakellaridis, citado pela Reuters.

Esta quinta-feira a Alemanha rejeitou a proposta grega para uma extensão do financiamento por seis meses, defendendo que «não é uma proposta de solução substancial» porque Atenas não se compromete a cumprir as condições do atual programa da troika.

«Não estamos a discutir a continuação do programa de ajustamento», disse Sakellaridis. «O governo grego irá manter a sua posição, embora as condições tenham amadurecido para que seja finalmente encontrada uma solução».

Os ministros das Finanças da zona euro  fazem esta sexta-feira mais uma tentativa de acordo sobre a ajuda à Grécia após o termo do atual programa de resgate, havendo divergências públicas sobre o pedido formalizado por Atenas. 

O ministro das Finanças grego, Yanis Varoufakis, aceitou,  no pedido de extensão da ajuda à Grécia por seis meses - enviado a Bruxelas -, que o Banco Central Europeu e o Fundo Monetário Internacional continuem a supervisionar a Grécia enquanto o país receber assistência financeira e compromete-se a não tomar ações unilaterais.