O ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schäuble, afirmou na sexta-feira, sobre o novo Governo grego e o acordo alcançado no Eurogrupo para prolongar a assistência financeira à Grécia, que «governar é um encontro com a realidade».

Schauble disse, durante uma conferência de imprensa, que o prolongamento por quatro meses do programa de assistência financeira a Atenas leva o prazo para «finais de junho», o que o Eurogrupo já tinha proposto ao anterior governo grego, de Antonis Samaras, quando o programa foi prolongado pela primeira vez em dezembro.

O ministro alemão acrescentou que, na altura, Samaras recusou o prolongamento de seis meses «devido à política interna».

O acordo alcançado na sexta-feira, adotado depois de uma árdua negociação e uma «avaliação cuidadosa», nas palavras do ministro alemão, «pode ser a base para continuar neste difícil caminho de grandes êxitos para superar a crise de confiança no euro».

Do acordo conseguido, «todas as partes podem dizer que se trata de uma decisão correta», acrescentou Schäuble, que, na quinta-feira, se mostrara muito duro perante a pretensão grega, ao considerar que se tratava de uma solução sem substância e escondia, de facto, um programa de financiamento sem cumprir as condições do resgate atual.