O Banco Central Europeu elevou esta quarta-feira para 71 mil milhões de euros o limite da linha de financiamento de emergência que tem sido utilizada para garantir liquidez aos bancos gregos, indicou fonte próxima do dossiê.

Esse limite estava em 69,8 mil milhões e desde fevereiro, o BCE tem vindo a aumentá-lo a cada 15 dias de forma a permitir que os bancos gregos tenham liquidez, depois de a instituição liderada por Mario Draghi ter deixado de aceitar obrigações soberanas gregas como garantia em operações de refinanciamento bancário.

Atenas tem apelado às instituições de Frankfurt para fazerem mais de forma a atenuar os seus problemas financeiras, mas Draghi afirmou, na conferência de imprensa que deu no passado dia 5, que o BCE já fazia bastante para ajudar a Grécia e não estava disposto a infringir as regras para favorecer um país.

Fonte citada pela AFP indicou também que o BCE pediu por escrito aos bancos gregos para deixarem de comprar dívida emitida por Atenas porque aumenta o risco da sua solidez financeira.