O ministro da Economia espanhol, Luís de Guindos, considerou «positivo» o acordo alcançado entre o Eurogrupo e a Grécia para prolongar a assistência financeira por mais quatro meses.

«É um acordo positivo. É um acordo que vai permitir discutir durante quatro meses um acordo futuro e cumpre todas as exigências que o Governo espanhol e muitos outros da Zona Euro tinham exigido», disse Luís de Guindos, no final da reunião extraordinária do Eurogrupo.

O ministro da Economia espanhol negou também ter apresentado reservas de última hora ao texto acordado hoje, juntamente com Portugal, como assinalaram alguns órgãos de comunicação social gregos.

A postura de Espanha foi «sempre construtiva» e «no final houve acordo», disse o ministro espanhol.

O presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, anunciou que a reunião de hoje dos ministros das Finanças da zona euro, em Bruxelas, permitiu chegar a um acordo sobre o prolongamento da assistência financeira à Grécia.

Dijsselbloem precisou que a assistência foi prolongada por quatro meses, embora o pedido de Atenas fosse de seis meses, e, em contrapartida, as autoridades gregas comprometeram-se a conduzir uma série de reformas, em linha com as condições previstas no atual programa, tendo que apresentar já na próxima segunda-feira uma lista com medidas.