A eleição do novo presidente do fórum de ministros das Finanças da zona euro, prevista para a reunião de quinta-feira no Luxemburgo, foi adiada para julho, dado a situação da Grécia requerer "toda a atenção" do Eurogrupo.

O ainda presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, que é candidato à sua própria sucessão e disputará o cargo com o espanhol Luis de Guindos, anunciou hoje na sua conta oficial de Twitter que iria propor aos ministros das Finanças da zona euro o adiamento da eleição, já que "a Grécia requer toda a atenção".

Um alto responsável do Eurogrupo indicou que a eleição de presidente já foi retirada da agenda do encontro do Luxemburgo - que será dominado pelo impasse em torno do programa de assistência à Grécia -, e reagendada para a reunião do Eurogrupo prevista para 13 de julho.

Ainda esta quarta-feira o presidente do Eurogrupo considerou que ainda é possível um acordo entre Atenas e os credores.

A reação chegou depois dos avisos deixados esta quarta-feira pelo Banco da Grécia. Se Atenas não chegar a acordo com os credores, diz o banco central, entra em incumprimento,  sai do euro e também da União Europeia. A instituição sublinha que um acordo é um "imperativo histórico que a Grécia não se pode dar ao luxo de ignorar".