A Comissão Europeia instou esta quarta-feira o Governo grego a mostrar “vontade política” em alcançar um acordo com os seus credores, argumentando que as propostas apresentadas pelas instituições a Atenas são “absolutamente razoáveis, moderadas e realistas”.

Numa conferência de imprensa em Bruxelas para apresentação de uma proposta legislativa sobre tributação de empresas, os comissários europeus do Euro, Valdis Dombrovskis, e dos Assuntos Económicos, Pierre Moscovici, questionados sobre a Grécia, insistiram que o desenlace melhor para todos é que haja um acordo, considerando todavia que “a bola está do lado das autoridades gregas”.

Ambos os comissários defenderam que as propostas apresentadas pela Comissão, assim como pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) e pelo Banco Central Europeu (BCE), são “absolutamente razoáveis” e dão a Atenas uma flexibilidade muito maior que aquela prevista no programa ainda vigente, exemplificando com a nova meta proposta de excedente primário, de 1% para 2015 (e um aumento gradual nos anos seguintes), contra os 3% previstos no atual programa.

Também o presidente do Eurogrupo disse esta quarta-feira o acordo “ainda é possível”, em reação aos avisos deixados esta quarta-feira pelo Banco da Grécia.

Se Atenas não chegar a acordo com os credores, diz o banco central, entra em incumprimento, s ai do euro e também da União Europeia. A instituição sublinha que um acordo é um "imperativo histórico que a Grécia não se pode dar ao luxo de ignorar".