O PSI20 fechou a perder 3,81% para um mínimo desde Fevereiro, com o Millennium bcp e o BPI a afundarem mais de 6%, na linha da frente dos receios de um efeito contágio se a Grécia sair do euro após a vitória do 'Não' no referendo.

A Grécia deu ontem um rotundo 'não' às propostas dos credores em troca de financiamento ao país, aumentando, contudo, os receios quanto a uma saída do euro por parte da Grécia.

A banca da periferia foi a mais penalizada.

O espanhol Santander caiu 2,8% e o italiano Intesa SanPaolo 6%.

Por cá, o BCP desceu 6,98% para 0,072 euros e o BPI 6,17% para 0,973 euros. O Banif desvalorizou 3,13%.

Os investidores aguardam ainda uma crucial decisão do Banco Central Europeu (BCE), que reúne às 1700 horas, sobre as linhas de liquidez de emergência para o sector financeiro da Grécia.


Lisboa fecha com todas as empresas em queda


O índice de referência nacional, com todas as 18 cotadas em queda, recuou para 5.367 pontos.

O Eurofirst 300, que segue as 300 maiores cotadas da Europa, caiu 1,21%.

Madrid perdeu 2,22% e Milão 4%.

A cotada Galp Energia perdeu 3,58%, o operador postal CTT derrapou 4,51% e a EDP caiu 3,35%. A telecom NOS desceu 3,24% e a EDP Renováveis caiu 3,25%.

O Ministro das Finanças helénico, Yanis Varoufakis, apresentou esta manhã a demissão, o que, segundo alguns analistas, remove um importante obstáculo para se alcançar um acordo que mantenha Atenas na zona euro.

Entretanto, o chefe da equipa negocial da Grécia com os credores, Euclid Tsakalotos, foi escolhido para sucessor.

A Grécia continua com os bancos fechados e em regime de controlo de capitais, o que deverá continuar pelo menos até sexta-feira.

A atenção dos investidores vira-se para as reuniões do Eurogrupo e dos líderes europeus amanhã, procurando perceber se um acordo ainda será possível.