Apesar do Governo ter criado, em 2012, o Processo Especial de Revitalização com o objetivo de travar a falência de empresas viáveis têm sido as famílias em dificuldades que mais recorrem ao mecanismo. Segundo o jornal Público, o número de particulares que optou por esta via mais do que duplicou em 2014, contabilizando 1155 casos.

É um aumento de 32,5% face ao ano passado, quando se registaram 545 PER, de acordo com um relatório do Instituto Informador Comercial.

Os dados relativos a 1 de janeiro e 26 de dezembro de cada ano permitem ainda concluir que esta tendência poderá não corresponder necessariamente ao surgimento de novos casos de dificuldades financeiras junto das famílias portuguesas, mas antes de uma transferência de uma tradicional insolvência para o PER.

No ano passado, as falências judiciais de empresas já tinham dado o primeiro sinal de abrandamento, que se consolidou em 2014 com um recuo de 19,2% para um total de 4.556 casos.

Do lado dos particulares, a queda foi de 2,9%. Este ano houve 12.755 insolvências de famílias, contra as 13.153 de 2013.