As audições da comissão parlamentar de inquérito à CGD arrancam ainda este mês e o ministro das Finanças, Mário Centeno, será o terceiro a ser ouvido, depois do presidente do Banco e do governador do Banco de Portugal.

De acordo com o portal da Assembleia da República, as audições desta comissão de inquérito começam na quarta-feira da próxima semana (dia 27), com o presidente da comissão executiva da CGD, José de Matos.

No dia seguinte (28), será a vez do governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, e na sexta-feira (29), os deputados vão questionar o ministro das Finanças, Mário Centeno.

A comissão parlamentar de inquérito à Caixa, imposta potestativamente por PSD e CDS-PP, tomou posse a 05 de julho na Assembleia da República, sendo presidida pelo social-democrata José Matos Correia.

Pelo PSD, estão ainda como membros efetivos Hugo Soares, que será o coordenador dos sociais-democratas, Carlos Costa Neves, Adão Silva, Margarida Mano, Emídio Guerreiro e Margarida Balseiro Lopes. Para suplentes, o PSD indicou Inês Domingos, António Leitão Amaro e Duarte Marques.

O Bloco de Esquerda (BE) indicou o deputado Moisés Ferreira para integrar, como efetivo, a comissão parlamentar de inquérito sobre a gestão e recapitalização da Caixa Geral de Depósitos. Mariana Mortágua, que foi a deputada efetiva do BE nas duas anteriores comissões parlamentares de inquérito à banca (Banif e BES), será agora uma das suplentes do Bloco, a par do deputado Paulino Ascensão.

O PS indicou o deputado João Paulo Correia para coordenador do partido na comissão parlamentar de inquérito à CGD, tendo ainda como deputados efetivos Paulo Trigo Pereira (que será vice-presidente da comissão), João Galamba, Carlos Pereira, Sónia Fertuzinhos, Susana Amador e Santinho Pacheco. Como parlamentares suplentes, os socialistas indicaram Tiago Barbosa Ribeiro, Luís Testa e Sónia Araújo.

O CDS-PP, por seu lado, indicou como elemento efetivo o deputado João Almeida e como suplentes os parlamentares Cecília Meireles e António Carlos Monteiro, e o PCP indicou o deputado Miguel Tiago como efetivo e como coordenador e como suplentes Bruno Dias e Paulo Sá.

A comissão de inquérito vai debruçar-se sobre a gestão do banco público desde o ano 2000 e abordará o processo de recapitalização da Caixa Geral de Depósitos, atualmente em negociação com Bruxelas.