Os preços abrandaram o ritmo de subida em setembro, com a taxa de inflação, medida pelo Índice de Preços no Consumidor, a registar uma variação homóloga de 0,6%, situando-se em termos mensais nos 0,7%. Os dados do Instituto Nacional de Estatística indicam, porém, que os preços do vestuário e do calçado dispararam 22,1% em relação a agosto.

Essa situação pode ser facilmente explicada pelo fim dos saldos. "Este aumento de preços foi consequência do final do período de saldos nos produtos de vestuário e da introdução de novas coleções de Outono/Inverno", explicou o INE.

"Nas classes com contribuições positivas para a variação homóloga do IPC salientam-se a dos Restaurantes e Hotéis e dos Produtos alimentares e bebidas não alcoólicas. A classe com contribuição negativa mais relevante foi a do Vestuário e Calçado", acrescenta.

Em setembro deste ano, a variação homóloga do Índice de Preços no Consumidor (IPC) situou-se em 0,6%, taxa inferior em 0,1 pontos percentuais à registada no mês anterior. Já a variação mensal do IPC foi 0,7% (-0,2% em agosto e 0,8% em setembro de 2015).

Os analistas consultados pela Reuters apontavam para uma subida mensal superior, de 0,8%, não só influenciada pela introdução de novas colecções no vestuário e calçado, mas também pelo aumento do preço dos combustíveis.