A confiança dos consumidores e das empresas voltou a cair em dezembro, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística.

O indicador de confiança dos consumidores diminuiu nos últimos dois meses, após ter estabilizado no valor mais elevado desde abril de 2001.

Segundo o INE, o comportamento do indicador resultou do contributo negativo das perspetivas relativas à evolução da situação económica do país e do desemprego. Sem a utilização de médias móveis de três meses, o indicador de confiança aumentou, em resultado do contributo positivo de todas as componentes, sobretudo das perspetivas relativas à evolução da situação económica do país.

Também o indicador de clima económico diminuiu entre outubro e dezembro, após ter estabilizado nos dois meses anteriores. 

O indicador de confiança da indústria transformadora aumentou, devido ao contributo positivo de todas as componentes. Já o indicador de confiança da construção e obras públicas agravou-se em novembro e dezembro, devido ao comportamento negativo das perspetivas de emprego e opiniões sobre a carteira de encomendas.

O indicador de confiança do comércio aumentou ligeiramente, refletindo o contributo positivo das expectativas de atividade e das opiniões sobre o volume de stocks, enquanto as apreciações sobre o volume de vendas contribuíram negativamente.

O indicador de confiança dos serviços reduziu-se nos últimos três meses, em resultado da evolução negativa das opiniões sobre a atividade da empresa e sobre a evolução da carteira de encomendas.