O valor médio da avaliação bancária para efeitos de crédito à habitação diminuiu 0,1% em novembro, para 1.018 euros por metro quadrado, face a outubro, sendo os apartamentos mais penalizados do que as moradias, divulgou o INE esta segunda-feira.

Segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE), em outubro, o valor médio de avaliação bancária tinha aumentado em cinco euros por metro quadrado (m2), isto é, mais 0,5%.

A maioria das regiões registou diminuições dos valores médios de avaliação em novembro, com os Açores e o Algarve a liderarem as quedas -3,5% (35 euros por m2) e -0,8% (10 euros por m2), respetivamente, face ao mês anterior, para valores de 979 euros e 1.288 euros por metro quadrado, em ambos os casos.

A variação homóloga do valor médio de avaliação no total do país registou, por sua vez, uma queda de 0,3% em novembro, contra -07% em outubro.

A região do Norte de Portugal, com um valor de 887 euros por m2, face a uma quebra homóloga de -2,6% em outubro, foi aquela que mais influenciou o resultado agregado, segundo o INE.

Quanto ao valor médio de avaliação bancária dos apartamentos fixou-se em 1.047 euros por m2, inferior em 0,3% ao valor observado em outubro, enquanto no caso das moradias o mesmo valor se situou em 950 euros por m2, idêntico ao registado no mês anterior.

A região do Alto Alentejo foi a que registou em novembro o decréscimo mais acentuado (-4%), enquanto na região do Pinhal Interior Sul se observou o maior aumento, 15,6%.

A análise das Áreas Metropolitanas evidenciou o facto de Lisboa ter registado em novembro um valor médio de avaliação bancária de 1.231 euros por m2, mais 0,2% que no mês precedente.

O valor médio de avaliação da área Metropolitana do Porto apresentou em novembro uma diminuição face a outubro de 0,1%, para 927 euros por m2.