A taxa de juro implícita dos contratos de crédito à habitação em Portugal voltou a recuar em outubro, fixando-se em 1,225%, face aos 1,228% no mês anterior e aos 1,448% reportados no mês homólogo de 2014.

Segundo dados do Instituto Nacional de Estatística a tendência decrescente mantém-se nos últimos 16 meses.
No caso, dos contratos celebrados nos últimos três meses, a taxa de juro implícita caiu para 2,281% em outubro, de 2,317% no mês anterior.

Quando o destino de financiamento é a 'Aquisição de Habitação', as taxas de juro para o conjunto de todos os contratos desceu 0,005 pontos percentuais para 1,233%.

No que diz respeito aos contratos celebrados apenas nos últimos três meses, a respetiva taxa recuou para 2,24%, versus 2,271% em setembro.

O INE explicou ainda que o valor médio da prestação vencida para o conjunto dos contratos de crédito à habitação manteve-se inalterado face ao mês anterior, em 239 euros, enquanto que para os contratos celebrados nos últimos três meses, desceu um euro para 314 euros.

A taxa de juro implícita no crédito à habitação reflete a relação entre os juros totais vencidos no mês de referência e o capital em dívida no início desse mês, antes de amortização. Estes dados do INE utilizam informação das instituições bancárias enviadas ao INE.