A taxa de poupança das famílias caiu 1% face ao primeiro trimestre do ano passado, alcançando os 11,9% do rendimento disponível.

Segundo dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística, a taxa de poupança das famílias fixou-se em 11,9% do rendimento disponível, «devido sobretudo ao aumento da despesa de consumo final».

Também a capacidade de financiamento baixou para os 6,1% do PIB no primeiro trimestre de 2014, informou o Instituto Nacional de Estatística, esta sexta-feira. No período homólogo anterior, a capacidade de financiamento das famílias alcançou os 7,7%.

«Este comportamento foi o resultado conjugado da redução de 0,3% do rendimento disponível e do aumento de 0,5% da despesa de consumo final, determinando uma redução de 5,8% na poupança do primeiro trimestre», explica o INE.

Já a redução do rendimento disponível foi determinado sobretudo pelo aumento de impostos sobre o rendimento e o património, numa taxa de variação de 2%, ao mesmo tempo que as remunerações das famílias diminuíram 0,1%.