A taxa de juro do crédito à habitação aumentou em junho, mas o valor médio da prestação vencida manteve-se nos 260 euros, pelo terceiro mês, segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE).

A taxa de juro implícita no conjunto dos contratos de crédito à habitação situou-se, em junho, em 1,491%, mais 0,019 pontos percentuais (pp) que a taxa do mês anterior (1,472%).

Nos contratos para Aquisição de Habitação, a taxa de juro foi 1,505%, aumentando 0,019 pontos percentuais face a maio, enquanto nos contratos celebrados nos últimos três meses a taxa de juro implícita diminuiu 0,093 pontos percentuais face à taxa de maio, fixando-se em junho em 3,087%.

Em junho, o valor médio da prestação vencida para a totalidade dos contratos em vigor manteve-se nos 260 euros, mas para o conjunto dos contratos de crédito à habitação celebrados nos últimos três meses, o valor médio da prestação fixou-se nos 323 euros, mais 3 euros que no mês anterior.

O valor do capital médio em dívida foi 57.268 euros, menos que os 57.338 euros registados em maio.

O INE sublinha que o capital médio em dívida tem vindo a reduzir desde junho de 2011, atingindo uma redução acumulada de 2.395 euros.

Nos contratos celebrados nos últimos três meses, o valor médio do capital em dívida foi 79.073 em junho (75.808 euros, em maio).

Para os contratos com destino de financiamento Aquisição de Habitação, o valor do capital médio em dívida foi 60.203 euros, menos 77 euros que em maio, enquanto nos contratos celebrados nos últimos três meses, o valor médio do capital em dívida foi 82.660 euros (79.037 euros no mês anterior).