As famílias já não poupavam tão pouco desde o primeiro trimestre de 1999. Segundo dados do Instituto Nacional de Estatística, publicados esta quarta-feira, a taxa de poupança diminuiu para 4,0% no terceiro trimestre do ano (4,8% no trimestre anterior).

A descida justifica-se, segundo a estatísticas, pelos" efeitos conjugados do aumento do consumo privado e da ligeira diminuição do rendimento disponível das famílias".

A diminuição do rendimento disponível, diz o INE, resultou da redução simultânea das remunerações e do saldo dos rendimentos de propriedade.  Já a redução das remunerações foi sobretudo determinada pelo comportamento das remunerações pagas pelas administrações públicas, que diminuíram 2,0% no 3º trimestre de 2015.

Recorde-se que no 3º trimestre de 2014 não vigoraram cortes salariais em consequência da decisão do Tribunal Constitucional.