O Produto Interno Bruto português aumentou 0,2% em termos reais no terceiro trimestre do ano, um abrandamento relativamente aos 0,3% de crescimento registados no trimestre anterior, devido principalmente ao aumento das Despesas de Consumo Final das Famílias Residentes.

Os dados do Instituto Nacional de Estatística revelam que, em termos homólogos, houve um aumento de 1,0% em volume, após a variação de 0,9% observada no segundo trimestre, de acordo com a estimativa rápida das Contas Nacionais. 

A procura interna apresentou um contributo positivo mais intenso para a variação homóloga do PIB, refletindo sobretudo a evolução das Despesas de Consumo Final das Famílias Residentes.

A procura externa líquida registou um contributo negativo mais significativo no 3º trimestre, devido à aceleração das Importações de Bens e Serviços, tendo as Exportações de Bens e Serviços apresentado um crescimento próximo do verificado no trimestre anterior. 

Dados do Eurostat divulgados esta sexta-feira mostram ainda que, em Portugal, a taxa de inflação anual ficou em 0,1% em outubro, significando alguma recuperação dos preços depois da taxa de inflação nula de setembro (0,0%) e da taxa negativa registada nos meses anteriores.