O número de passageiros transportados no Metropolitano de Lisboa voltou a cair em 2013, com menos 12% de pessoas a optarem pelo metro para se deslocarem, segundo as Estatísticas dos Transportes e Comunicações 2013.

O Instituto Nacional de Estatística nota que «o transporte público de passageiros (não considerando o modo aéreo) tem vindo a registar sucessivas reduções desde 2011, apesar de em 2013 se terem verificado decréscimos menos acentuados comparativamente com o ano precedente».

O metropolitano, o segundo meio de transporte público com mais passageiros a seguir ao rodoviário, transportou no ano passado 191,6 milhões de pessoas (208,5 milhões 2012), das quais 71% usaram o metro de Lisboa (135,7 milhões).

O Metro do Porto registou um acréscimo de 2,6% no número de passageiros transportados, que cresceu para 55,9 milhões.

O número de deslocações em transportes públicos diminuiu no modo rodoviário (-6,9% do que em 2012), ferroviário (-4,6%) e fluvial (-3,9%).

O transporte rodoviário foi usado por 546,4 milhões de passageiros que percorreram, em média, uma distância de 8,8 quilómetros no serviço nacional e 1.283,5 quilómetros no internacional.

O tráfego regular foi responsável pela movimentação de 96,4% dos passageiros, sendo 85,7% do transporte nacional relativo a carreiras urbanas/suburbanas.

Os comboios transportaram 126,1 milhões de passageiros, enquanto 26,3 milhões de pessoas usaram a via fluvial, que assistiu a um decréscimo de 7,1% no número de automóveis transportados (271,4 mil), mas teve um incremento de 11,2% no movimento de motociclos e bicicletas (40 mil).

O número de passageiros transportados só aumentou no caso do tráfego aéreo, com mais 4,9% de pessoas a passarem pelos aeroportos nacionais, num total de 32,6 milhões.

Os operadores nacionais transportaram cerca de 11,9 milhões de passageiros, mais 4,2% face ao ano anterior. No entanto, registou-se um decréscimo de 0,5% nos lugares oferecidos face a 2012, que passaram a 16 milhões.