A taxa de juro implícita dos contratos de crédito à habitação em Portugal voltou a cair em julho último, fixando-se em 1,066%. Menos 0,023 pontos percentuais que no mês anterior, tendo a prestação média vencida descido um euro, segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE).

"A taxa de juro implícita no crédito à habitação passou de 1,089% em junho para 1,066% em julho, reduzindo-se 0,023 pontos percentuais", refere o INE.

Acrescentando que "nos contratos celebrados nos últimos três meses, a taxa de juro implícita foi 2,044%, inferior em 0,013 pontos percentuais à observada em junho".

No que diz respeito aos contratos celebrados apenas nos últimos três meses, a respetiva taxa juro manteve-se estável em 2,024%.

O INE realçou ainda que o valor médio da prestação vencida para o conjunto dos contratos de crédito à habitação diminuiu um euro face a junho para 237 euros, uma redução que teve origem na componente juros, tendo a componente amortização apresentado valores médios iguais aos observados no mês anterior.

O valor do capital médio em dívida, para a totalidade dos contratos de crédito à habitação, subiu 20 euros face a junho para 51.778 euros.

Para os contratos celebrados nos últimos três meses, o montante médio do capital em dívida aumentou 568 euros para 85.928 euros.