A taxa de juro implícita do crédito à habitação caiu em fevereiro, pelo sétimo mês consecutivo, situando-se o valor médio da prestação vencida nos 241 euros, segundo o Instituto Nacional de Estatística.

A taxa de juro implícita no conjunto dos contratos de crédito à habitação diminuiu 0,015 pontos percentuais face a janeiro, situando-se em 1,325% em fevereiro, enquanto nos contratos celebrados nos últimos três meses, a taxa aumentou 0,008 pontos percentuais face a janeiro, fixando-se nos 2,987% em fevereiro.

No destino de financiamento Aquisição de Habitação, a taxa de juro situou-se em 1,331% e em 2,932%, para o conjunto de todos os contratos e os celebrados nos últimos três meses, respetivamente (1,346% e 2,921% em janeiro).

Em fevereiro, o valor médio da prestação vencida, para o conjunto dos contratos de crédito à habitação, diminuiu um euro face a janeiro, fixando-se em 241 euros, uma queda «determinada pela diminuição de dois euros registada pela componente Juros que compensou o acréscimo de um euro na componente Amortização», segundo explica o INE.
Os valores destas componentes fixaram-se, em fevereiro, em 58 euros e 183 euros, respetivamente (60 euros e 182 euros, no mês anterior, pela mesma ordem).

Para os contratos celebrados nos últimos três meses, o valor médio da prestação foi 330 euros (325 euros no mês anterior).

Em fevereiro, nos contratos com destino Aquisição de Habitação, o valor médio da prestação vencida fixou-se 262 euros (263 euros em janeiro), sendo que nos contratos celebrados nos últimos três meses, a prestação média vencida manteve-se em 351 euros, valor igual ao mês anterior.

O valor do capital médio em dívida, para a totalidade dos contratos de crédito à habitação, foi 52.976 euros em fevereiro, enquanto nos contratos celebrados nos últimos três meses o valor situou-se em 78.069 euros em fevereiro.
Nos contratos com destino de financiamento Aquisição de Habitação, «o valor do capital médio em dívida manteve a tendência decrescente que se verifica desde setembro de 2011», situando-se em 59.538 euros (59.562 em janeiro), ao contrário do que sucede nos contratos celebrados nos últimos três meses, com o mesmo destino de financiamento, em que o valor foi de 84.572 euros (83.852 euros no mês anterior).