A taxa de juro implícita dos contratos de crédito à habitação em Portugal desceu pelo quinto mês consecutivo, diminuindo 0,036 pontos percentuais para 1,365% em Dezembro, segundo o Instituto Nacional de Estatística.

Quanto aos contratos celebrados nos últimos três meses, a taxa de juro implícita teve um comportamento contrário, tendo subido para 3,022 pct em Dezembro, face a 2,994 pct no mês anterior.

«A taxa de juro implícita no crédito à habitação decresceu pelo quinto mês consecutivo, fixando-se em 1,365% em dezembro, o que correspondeu a uma diminuição de 0,036 pontos percentuais comparativamente com o mês anterior», referiu.

O INE realçou ainda que o valor médio da prestação vencida para o conjunto dos contratos de crédito à habitação diminuiu um euro para 255 euros em dezembro, enquanto que para os contratos celebrados nos últimos três meses houve uma subida de 20 euros, fixando em 350 euros.

O Governo estima que o Produto Interno Bruto português tenha expandido 1 % em 2014 e acelere o crescimento para 1,5% em 2015, face às contrações de 1,4% em 2013 e de 3,2% em 2012 - a mais grave recessão económica em três décadas.

O INE salienta ainda que o valor do capital médio em dívida, para a totalidade dos contratos de crédito à habitação, foi 56.664 euros em Dezembro, «correspondendo a uma diminuição de 129 euros face ao mês anterior, a segunda maior desde Setembro de 2011, mês em que se iniciou a atual tendência de redução».

Nos contratos celebrados nos últimos 3 meses, o valor médio do capital em dívida caiu para 79.617 euros, versus 79.958 euros em novembro.

A taxa de juro implícita no crédito à habitação reflete a relação entre os juros totais vencidos no mês de referência e o capital em dívida no início desse mês, antes de amortização.