Mais importante do que a descida do desemprego é a efetiva criação de emprego, uma tendência que se tem vindo a verificar nos últimos meses, sublinha António Costa, comentador da TVI.

O jornalista de economia analisava, no jornal das 19:00 da TVI24, os dados revelados esta terça-feira pelo Instituto Nacional de Estatística, que dão conta de uma descida de 0,2 pontos percentuais na taxa de desemprego em abril.
Embora esta seja apenas uma estimativa rápida, sujeita a correções, António Costa faz eco da reação do Governo, que sublinhou esta terça-feira que estas eram “boas notícias”.

“A avaliação justa e independente destes números é que são de facto boas notícias, não tanto pelo número em si, mas por um fator que tem a ver com a criação de emprego”


O comentador referiu que a diferença entre esta crise e outras tem, essencialmente que ver com o facto de desde 2010 ter havido muito menos criação de emprego do que em crises semelhantes.

“A tendência é claramente de descida do desemprego e da subida de criação de emprego Mos últimos três meses a economia portuguesa criou 65 mil postos de trabalho”.

Mas será este um trunfo a ser jogado pela coligação na campanha eleitoral para as legislativas?

“É muito elevada a taxa de desemprego para ser um fator de discriminação positiva para o Governo. O desemprego tem descido de forma consistente, mas no início do ano tivemos alguns aumentos. Não consigo antecipar: o investimento não está a crescer assim tanto, as exportações também não estão a crescer o suficiente para falar duma economia imparável, que possa criar emprego”.