O indicador de confiança dos consumidores aumentou ligeiramente em outubro, atingindo o valor mais elevado desde maio de 2002 e prolongando a acentuada tendência ascendente observada desde o início de 2013, segundo dados revelados pelo Instituto Nacional de Estatística.

 

A recuperação do indicador de confiança dos Consumidores nos últimos dois meses deveu-se, segundo o INE, ao contributo positivo das expetativas sobre a evolução da situação financeira do agregado familiar e da situação económica do país e, em menor grau, das perspetivas de evolução da poupança, enquanto as expetativas relativas à evolução do desemprego contribuíram negativamente.

 

Já o indicador de clima económico estabilizou pelo segundo mês consecutivo no valor máximo desde julho de 2008, suspendendo o perfil crescente iniciado em janeiro de 2013.

 

Em outubro, o indicador de confiança aumentou na Indústria Transformadora, na Construção e Obras Públicas e no Comércio e diminuiu nos Serviços.

 

Respondendo ao líder da bancada parlamentar do PS, Ferro Rodrigues, no âmbito da discussão sobre o Orçamento do Estado para 2015, Pedro Passos Coelho sublinhou que estes números mostram que as condições reais da economia estão melhores e isso é «indesmentível».

 

«A confiança dos portugueses está hoje num nível mais elevado desde 2002, o ano da crise, em que Portugal entrou no procedimento por défice excessivo. Ora temos hoje a possibilidade de observar as condições reais da economia portuguesa, e elas são indesmentíveis: temos crescimento na sociedade portuguesa ao longo deste ano. E todas as organizações internacionais têm a mesma perspetiva de crescimento em Portugal para 2015», sublinhou o PM.