O valor médio de avaliação bancária da habitação baixou 2,8% em 2013 face ao ano anterior, fixando-se em 1.006 euros por metro quadrado, sendo o Algarve a região mais penalizada, segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE).

A análise anual do INE indica que a avaliação das casas sofreu, em média, um decréscimo de 29 euros e que as variações foram negativas em todas as regiões, com destaque para o Algarve (-4,9%), que manteve ainda assim o valor de avaliação mais elevado do país (1.250 euros), Alentejo (-4,7%) e Região Autónoma da Madeira (-4,5%).

Em Lisboa, o valor médio da avaliação bancária recuou 2,5%, para 1.197 euros por metro quadrado, e no Norte desceu 3,1% (880 euros).

A avaliação bancária desvalorizou mais as moradias (-4,2%) do que os apartamentos (-2,2%), tendo os valores médios atingido 943 e 1.041 euros por metro quadrado, respetivamente.

Em dezembro de 2013, o valor médio da avaliação bancária fixou-se nos 1.014 euros, o que representa uma diminuição homóloga de 0,5%.

A avaliação bancária média regressou assim ao valor registado em setembro, depois de uma subida de cinco euros em outubro e de uma descida de um euro em novembro.

O decréscimo resultou, essencialmente, da diminuição de 0,8% registada no valor médio dos apartamentos (-0,3% em novembro).

Na Área Metropolitana de Lisboa, o valor médio de avaliação diminuiu 1%, face a novembro, para 1.219 euros/metro quadrado, enquanto na Área Metropolitana do Porto este valor aumentou 0,9% situando-se em 935 euros/metro quadrado.

O inquérito à avaliação bancária baseia-se na informação fornecida por nove instituições financeiras que representam cerca de 90% do montante total de crédito à habitação concedido.