O indicador de clima económico prolongou em dezembro o perfil ascendente observado desde janeiro de 2013, após ter registado o mínimo da série, atingindo o valor mais elevado desde janeiro de 2011, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística. Já o indicador de atividade económica acelerou em novembro, fixando o valor máximo desde fevereiro de 2011.

A informação proveniente dos Indicadores de Curto Prazo (ICP) revelou, em termos homólogos, um crescimento da produção industrial e uma diminuição menos significativa da atividade económica nos serviços e na construção e obras públicas em novembro.

O indicador quantitativo do consumo privado voltou a recuperar em novembro, refletindo o contributo positivo mais expressivo de ambas as componentes, consumo corrente e consumo duradouro, sobretudo do primeiro caso.

O indicador de FBCF diminuiu de forma menos acentuada, em resultado do contributo negativo menos significativo das componentes de construção e de máquinas e equipamentos e do contributo positivo, ligeiramente mais expressivo, da componente de material de transporte. Relativamente ao comércio internacional de bens, em termos nominais, as exportações e importações registaram variações homólogas de 7,0% e 3,7% em novembro (4,7% e 1,4% no mês anterior), respetivamente.