O indicador de atividade económica, que reflete a tendência geral acerca dos desenvolvimentos económicos, diminuiu em abril e maio, depois de ter estabilizado um mês antes, segundo os dados divulgados esta terça-feira pelo Instituto Nacional de Estatística. Não havendo ainda dados sobre junho, o Banco de Portugal divulgou na semana passada as suas estatísticas, adiantando que o indicador coincidente da atividade económica estabilizou, interrompendo a trajetória de redução dos últimos sete meses.

Já o indicador de clima económico, em relação ao qual já são conhecidas estatísticas de junho, estabilizou nesse mês. Nos três anteriores, tinha aumentado.

A síntese económica de conjuntura do INE destaca ainda que  o indicador quantitativo do consumo privado desacelerou em maio, "refletindo o crescimento menos expressivo do consumo corrente".

O investimento caiu, sobretudo por caus da quebra verificada nos materiais de transporte e na construção. 

Tanto exportações como importações apresentaram em maio variações homólogas negativas, de -2,3% e -3,6%, respetivamente, pesando mais do que em abril, mês igualmente de recuos (-1,7% e -1,0% em abril). Faz notar o INE que, deixando de fora os combustíveis, as exportações cresceram 0,8% e as importações 3,3%. 

Quanto ao índice de volume de negócios da indústria, as variações nominais têm sido negativas nos últimos meses, "o que refletirá sobretudo variações negativas de preços, uma vez que o índice de produção industrial, embora em desaceleração, manteve um crescimento positivo em maio".

Já o volume de negócios dos serviços e o índice de produção da construção e obras públicas caiu em maio de forma mais intensa do que em abril.

De acordo com as estimativas mensais do Inquérito ao Emprego, a taxa de desemprego (15 a 74 anos), ajustada de sazonalidade, situou-se em 11,6% em maio. Ficou, por isso, inalterada face à estimativa definitiva obtida para abril.

A estimativa da população empregada diminuiu 0,6% face ao mês anterior e 0,3% em termos homólogos.

Por último, a inflação subiu 0,5% em junho (0,3% em maio).