A poupança das famílias portuguesas voltou a descer em abril, mantendo a tendência observada desde julho de 2013, segundo o indicador de poupança APFIPP/Universidade Católica.

Em abril, o indicador desceu para 105,0 (105,8 em março), ainda acima da média de longo prazo da série, que teve início do ano 2000, mas muito abaixo dos históricos 126,6 registados em junho e julho de 2013.

O indicador de poupança assume o valor 100 no último trimestre de 2000 quando a taxa de poupança foi cerca de 8% do PIB.

Os decréscimos tornam agora «claramente percetível a tendência descendente, medida pela variação trimestral das séries alisadas, da poupança das famílias, depois de se ter mantido durante vários anos em níveis historicamente elevados».