A Parvalorem negociou com a leiloeira Christie s uma indemnização de 5 milhões de euros se o negócio do leilão das 85 obras de Miró não for concretizado, revela o Diário de Notícias.

O secretário de Estado da Cultura rejeitou ontem quaisquer responsabilidades no negócio, que acabou por ser cancelado duas horas antes de começar o leilão, em Londres, isto depois de de o Ministério Público ter interposto uma providência cautelar para impedir a venda dos quadros, pedido que foi indeferido pela juíza.

O Ministério Público vai continuar a analisar o caso, sendo que perante a lei tem 5 dias para recorrer da primeira decisão. Outra via será abandonar a providência cautelar e iniciar uma ação administrativa, pedindo a nulidade do despacho do secretário de Estado da Cultura.