A Câmara de Paços e Ferreira anunciou esta segunda-feira ter notificado 3.000 utentes que não cumprem a obrigação de pagar as tarifas de resíduos, dando 15 dias para os devedores regularizarem a situação e evitar as execuções.

"Findo o prazo, excecionalmente concedido pela câmara municipal, para regularização das dívidas, e caso o devedor não o faça, os processos seguirão a tramitação normal, o que comportará custos bastante mais elevados para os devedores", lê num comunicado enviado à Lusa.

A autarquia avisa que o não cumprimento da obrigação poderá levar à penhora de bens e à divulgação da lista de devedores no site do município com o nome dos munícipes em falta.

Segundo a edilidade, a dívida dos utentes à Câmara ascende a 300.000 euros, tendo sido instaurados 18.000 processos.

"Sensível à eventual situação económica precária de alguns cidadãos", a autarquia revela ter disponibilizado os seus serviços de ação social, "no sentido de encontrar uma solução que permita resolver a situação, em conformidade com a legislação em vigor".

"Os mais fragilizados têm ao seu dispor, na câmara municipal, medidas de apoio social", lê-se no documento, sublinhando-se que "a decisão de permitir, a título excecional, a regularização das dívidas é um apelo à cidadania responsável de todos os pacenses".

De acordo com o executivo liderado por Humberto Brito, "os cidadãos cumpridores não podem ser penalizados pelos cidadãos que, usufruindo de um serviço público, insistem em não cumprir com as suas obrigações perante a comunidade".

Paços de Ferreira é o concelho do Vale do Sousa que produz mais lixo por habitante.

Segundo dados da própria autarquia, a Câmara deve cerca de 10 milhões de euros à Suma, empresa responsável pela recolha dos resíduos, e três milhões à Ambisousa, entidade que gere o aterro sanitário de Lustosa. O município tem também uma dívida de 850.000 euros à Junta de Freguesia de Lustosa, no concelho de Lousada.

Por isso, lê-se no comunitário, "urge a todos pagar a tarifa de resíduos urbanos".