Os trabalhadores da Imprensa Nacional Casa da Moeda (INCM) anunciaram novas greves para sexta-feira, com concentração frente ao edifício da administração, e dia 03 de março, contra a retirada de benefícios assegurados pelos respetivos serviços sociais.

Em comunicado, a federação que representa o setor (Fiequimental), refere que as formas de luta foram aprovadas em plenários e têm a ver com as alterações ao regulamento dos serviços sociais da INCM, comunicadas pelo Conselho de Administração a 28 de outubro, que os trabalhadores e as organizações representativas consideraram «inaceitáveis».

Estes trabalhadores têm concretizado várias ações de luta nos últimos dois meses, nomeadamente um dia de greve a 19 de dezembro e uma concentração junto ao Ministério das Finanças a 22 de janeiro.

Na origem do conflito está a revisão de um regulamento dos serviços sociais da INCM, de 1987.

No ano passado, a INCM foi sujeita a uma auditoria pelo Tribunal de Contas, que recomendou a atualização do regulamento dos serviços sociais, adaptando os seus benefícios, quotas e comparticipações ao que está a ser praticado no setor público e privado.

A proposta de regulamento da administração da INCM prevê que os trabalhadores da empresa passem a ter apoios na saúde idênticos aos da ADSE e ao mesmo tempo que as suas quotizações mensais sejam aumentadas de 1,5 para 2%.

A INCM conta com 668 trabalhadores no ativo, mas os seus serviços sociais têm cerca de 2.000 beneficiários, contando com os reformados e com os familiares.