O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Paulo Núncio, destacou esta terça-feira a «posição de princípio favorável» comum às quatro confederações patronais ouvidas pelo Governo no âmbito da reforma do IRS.

«Todas as confederações patronais manifestaram uma posição de princípio favorável à reforma do IRS. É muito importante que se consiga gerar um consenso social alargado em apoio à reforma do IRS», disse o governante aos jornalistas, após as reuniões de hoje com as confederações do comércio e serviços (CCP) e do turismo.

Paulo Núncio escusou-se a avançar qual a posição do Executivo sobre as várias questões que os parceiros sociais levantaram, nomeadamente sobre uma eventual baixa de impostos, remetendo qualquer tomada de decisão para outubro, altura em que se conclui o período da consulta pública do anteprojeto da Comissão de Reforma do IRS.

«O Governo apenas tomará decisões a partir de 1 de outubro e, nessa matéria, eu sou muito institucionalista», reiterou o secretário de Estado.

Depois de ter ouvido as quatro confederações patronais (CIP, CAP, CCP e CTP), até ao final da semana, Paulo Núncio irá ouvir as duas centrais sindicais (CGTP e UGT) e a Associação Fiscal Portuguesa.