Depois de meses de declarações em sentido contrário, o anúncio do aumento de impostos através do Documento de Estratégia Orçamental surpreendeu. Ainda assim, o Executivo considera que apesar de o DEO não referir descidas de impostos não fecha a porta a uma eventual descida do IRS em 2015.

Segundo apurou o Jornal de Negócios, o CDS mantém a intenção de de o discutir no Orçamento do Estado para 2015. A maior assertividade das posições dos ministros centristas contrasta com a cautela do primeiro-ministro e ministra das Finanças.

O CDS considera imprescindível aliviar a carga fiscal em 2015, mas a acontecer terá de ser inscrito no OE para 2015, numa altura em que a troika já não estará em Portugal.