Em abril de 2017, as exportações e as importações de bens registaram variações homólogas nominais de, respetivamente, +0,4% e +10,8%, anunciou o Instituto Nacional de Estatística (INE), que justifica a descida das exportações com "uma redução de 3,9%" das que se dirigem ao mercado da União Europeia (UE). As exportações não cresciam taõa pouco, na variação homóloga, desde outubro de 2016.

Ao mesmo tempo que as importações aumentam "principalmente devido ao acentuado do crescimento registado no comércio extra-UE, que atingiu +45,6%", que reflete, em grande medida, o impacto do aumento das importações de Combustíveis e lubrificantes, em especial devido à evolução dos preços. 

A desaceleração das exportações e das importações estará em parte associada a efeitos de calendário mas em sentido contrário ao verificado em março de 2017. Recorde-se que, em 2017, a Páscoa ocorreu em abril enquanto em 2016 foi em março",  justifica o INE.

Excluindo os Combustíveis e lubrificantes, as exportações diminuíram 2,3% e as importações aumentaram 6,1%.

Contas feitas, o défice da balança comercial de bens situou-se em 1.239 milhões de euros em abril de 2017, o que representa um aumento de 509 milhões de euros face ao mês homólogo de 2016. Excluindo os Combustíveis e lubrificantes a balança comercial atingiu um saldo negativo de 900 milhões de euros, correspondente a um aumento de 367 milhões de euros em relação ao mesmo mês de 2016.

No trimestre terminado em abril de 2017, as exportações e as importações de bens aumentaram respetivamente 11,1% e 11,8% face ao período homólogo.