A Moodys acredita que Portugal vai conseguir cumprir a meta do défice para este ao, apesar do chumbo do Tribunal Constitucional a três normas do Orçamento do Estado de 2014.

Numa nota publicada esta quinta-feira, a agência de notação financeira argumenta que este chumbo tem «um impacto fiscal limitado», que o ponto de partida da execução orçamental é melhor do que o esperado e que a economia está a crescer mais do que o previsto.

Ainda assim, a Moodys refere que que a decisão do TC complica a tarefa de consolidação fiscal, tendo em conta a previsão de um equilíbrio do défice até 2018.

Mas a agência de notação não aconselha um novo aumento de impostos, já que a medida comprometeria a «frágil retoma económica» do país.