Mais de uma em cada cinco casas comercializadas em Portugal até setembro foram compradas por estrangeiros, sobretudo por ingleses, chineses e franceses, de acordo com a Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal.

Entre janeiro e setembro, o investimento estrangeiro representou 23% do total das transações imobiliárias efetuadas, tendo protagonizado 17.300 negócios de um total de 75.000 transações.

Só no terceiro trimestre registaram-se 27 mil transações, o que significa um crescimento de 8% face a igual período de 2013, confirmando a tendência de retoma do setor.

Entre os mais de 17.000 cidadãos estrangeiros que investiram no imobiliário português, os britânicos, chineses e franceses ocupam as três primeiras posições, com destaque para «os negócios realizados por cidadãos chineses que têm vindo a aumentar consecutivamente nos últimos três trimestres».

Lisboa, Loulé e Cascais foram os municípios mais procurados entre julho e setembro.

Já no acumulado de nove meses, a APEMIP estima que as áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto concentraram cerca de 14% das transações registadas no país, sendo que dos dez municípios mais relevantes em termos nacionais, sete não pertencem a estas duas unidades territoriais (Loulé, Leiria, Pombal, Viseu, Águeda, Barcelos e Coimbra).

O presidente da APEMIP, Luís Lima, citado em comunicado, destaca o «aumento consecutivo das transações imobiliárias», através do aumento da procura de investidores estrangeiros e também nacionais.