O Tesouro está preparado para contrair empréstimos com o objetivo de fazer com que Portugal não necessite da última tranche da troika, revela o Jornal de Negócios.

O IGCP foi esta quarta-feira ao mercado angariar mais financiamento do que aquele que tinha anunciado (foram 975 milhões), o que é inédito nos últimos anos.

Questionado pelo jornal, o presidente do IGCP João Moreira Rato sublinhou que se além dos leilões se fizer uma emissão sindicada em euros, será facilmente ultrapassado o programa de financiamento.

O Tesouro prevê chegar ao final do ano com reservas de tesouraria de 9,8 mil milhões de euros, o que corresponde a dois terços das necessidades de financiamento para 2015.

Se Portugal optar por abdicar da última tranche da troika, num total de cerca de 3 mil milhões, isso obrigará o IGCP a emitir mais dívida para este ano se quiser manter o objetivo de pré-financiar 2015 em dois terços.